Amor. Sei lá, é uma palavra tão pequena. Mas deixa-me tão despida. Deixa-me sem protecções, sem guardas ou espinhos. Deixa-me sem os muros altos que impus a mim mesma.
Disse "amo-te" uma e única vez, e no entanto foi capaz de me destroçar por completo. Mas eu amei. Amei de verdade, com todo o coração e de toda a alma. Eu sei que o amei, não por ele ser perfeito, mas por eu adorar toda e qualquer imperfeição nele. Para além de amor, era amizade, era porto de abrigo e ombro fiel. Era amor. Eu sei que era.
Mas quando um amor acaba, ele acaba na verdade, para apenas um coração. A linha que os unia partiu-se, mas do outro lado continua-se a amar. Eu fui esse lado. Esse que acaba por sofrer mais. Eu chorava. mas no entanto, continuava a dar de bandeja o meu maior tesouro: o meu coração. Ele privava-me do dele. De um momento para o outro, foi-se o amor, a amizade, o porto de abrigo e o ombro. Foi-se o meu mundo. E ele foi com ele. Sem voltas, sem retornos.
Mas tudo passa, e algo que aprendi com corações partidos, é que a vida, essa não pára. Mas o tempo cura tudo. Mas não nos confundiremos: cura, mas não cicatriza. As marcas que transporto no meu coração, são minhas. Causadas por ele, deixadas por mim. E quando o nosso coração é partido, todos os clichés começam a fazer sentido. Isso dos cacos, parece absurdo. Mas quando a pele é nossa, a verdade é outra. Isso de apanhar cacos, é um inferno. E não saber sequer onde os procurar é completamente desesperante.
Depois o coração passa de cacos, a bola de trapos. Tratei do meu próprio coração a pontapé. Não deixava sequer que se barricassem perto dele. Tinha demasiado medo, que esse "amor" voltasse para me despedaçar de novo. Não. Não suportava sequer essa ideia.
E depois da tempestade, o primeiro raio de sol rompe as nuvens não é? E ele, é agora o meu pequeno raio de sol. Pequenino. Claro. Mas luminoso. Não me ofusca, apenas aquece. Como na primavera. Esse calor que é tão agradável.  Não me fala em amor, não me sufoca, e não trás bagagem. Não há tendas nem entradas forçadas. Existe apenas, ele e eu. Sem mundos, sem promessas.

42 comentários:

  1. Tãoo lindo, tão perfeito!
    ADOREI!
    add novo blog: http://danielaapatricia.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. De nda querida e muito obrigada meeeeeeeeeeeeeesmo *-*

    ResponderEliminar
  3. Obrigada, obrigada mesmo princesa <3

    ResponderEliminar
  4. oh , quando é que provei ter força ? :o
    a minha melhor amiga mandou-lhe um cena do meu face , e ele respondeu :o mas foi um bocadão mau :s

    ResponderEliminar
  5. meu amor, desculpa mais uma vez a ausencia. isto tem sido mesmo complicado :c

    ResponderEliminar
  6. bem, vou me aguentando, as vez melhor, outras nem por isso... nem sei querida

    ResponderEliminar
  7. obrigada querida. as vezes torna se complicado...

    ResponderEliminar
  8. oh, muitíssimo obrigada, doce.
    gostei muito do teu texto <3

    ResponderEliminar
  9. está lindo *.*
    sigo*, segues de volta ? (:

    ResponderEliminar
  10. Adoro o teu blog :$
    Vou seguir (:
    O texto, está espantoso *-*

    ResponderEliminar
  11. gosto muito :)
    vou seguir *

    http://petitsmorceauxdemoi.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  12. Adoreiii lindaaa ;D Desculpa mas nunca mais pode vir cá por causa dos testes ;S
    Passou-se algo fofinha?

    ResponderEliminar
  13. posso pedir-te um favor?
    ontem à noite criei um blog de fotografias minhas, a pedido de algumas seguidoras minhas e amigos também, será que podes passar por lá? se gostares segue-me, sim? aqui tens:

    http://aminhavidaemfotografia.blogspot.com

    ResponderEliminar

Deixem as vossas opiniões :)