Querido ex-namorado, não vou aqui revelar o teu nome, sei que quando/se leres isto, te verás espelhado nestas mesma palavras, que verás nestas mesma entrelinhas toda a nossa aqui postada, e todos os nossos segredos revelados. Infelizmente ainda não aprendi a falar de ti sem dor, ainda não compreendi o porquê do teus adeus. Aprendi simplesmente a conformar-me com as tuas decisões, calando-me de todas as vezes que te quis gritar. Ensinaste-me a amar defeitos e qualidades, ensinaste-me o verdadeiro conceito de amor. Hoje não duvido das tuas palavras duvido sim das tuas escolhas.Não sei de ti, perdi-te como quem perde uma simples carta, perdi-te como quem perde grãos de areia entre os dedos. Não sei o que estás a fazer neste momento, nem como prever o teu próximo passo. És assim imprevisível e espontâneo. Único e deslumbrante.Proporcionas-te-me mais do que na verdade pensas. Não tens noção disso pois não? Tu nunca tens noção das coisas e, consequentemente nunca tives-te noção da grandeza do amor que senti por ti. Pensas-te apenas que era passageiro, apenas algo temporário, não foi. Nem eu esperava que fosse.Eu sempre soube que no final de tudo isto, isto doíria, nunca pensei é que doesse tanto, chegando ao ponto de pedir a Deus que levasse tudo, que me levasse a mim. É absurdo, eu sei, mas conseguis-te fazer com que chegasse a esse ponto.Fizes-te-me ainda odiar tudo e todos, odiar-me a mim mesma e a gente sem culpa.Hoje, as minha lágrimas secaram. Mais uma vez juro não chorar por ti, nunca mais. Mas ambos sabemos que não conseguirei cumprir a promessa tantas vezes renovada. Tu conheces-me melhor do que tu próprio julgas. Tentei tudo, eu tentei tirar-te de mim a todo o custo, e tu sabes isso melhor que ninguém. Ergui espadas e muros com o intuito de jamais me voltarem a magoar. Funcionou, com o resto do mundo resultou, particularizando, só tu as transpunhas e as derrubavas, como quem derruba castelos de areia.Estás empregado a mim, a mil ferros, arrancar-te é como arrancar parte de mim, parte do meu coração. Arrancar-te seria impensável, (ainda) fazes parte de mim, de quem sou, de como sou.Tenho saudades. Mas saudades sentiremos sempre não é? Ambos partilhámos momentos e histórias únicas, ambos andámos ao sabor da corrente de mãos dadas, expectantes com que o futuro nos reservava. Sim, saudades sei que ambos as sentiremos.Hoje está a ser um dia particularmente difícil, estou a relembrar toda a nossa história (não que não a lembre todos os dias, tu sabes), e hoje sei que devo e, sei que chegou o dia de te desejar que sejas feliz. Antes não o desejei, se não o eras comigo não compreendia como poderias ser com outra qualquer. Desejo-te do fundo do coração que encontres a pessoa certa, que a faças tão ou mais feliz que algum dia me fizes-te a mim. Deixo-te livre, que vás à procura da tua própria felicidade que bem a mereces. Deixo que vás, de coração (ainda) apertado como há tanto te deixei de lágrimas nos olhos. Não penses que já não me custa, pelo contrário, sinto-te como te senti no primeiro dia, sinto-te da mesma forma como à meses atrás. O nó que me causas-te ainda está bem apertado no fundo da minha garganta, e o meu coração ainda está ligado ao teu, bate com o intuito de te alcançar. Mas isso não importa. Já não.Sê feliz e, nunca te esqueças que estarei incondicionalmente para te apoiar como tenho feito. És parte de mim, mas já te disse antes: precisas mais de uma amiga, do que um coração apaixonado por ti. E neste momento eu poderei ser a melhor amiga que já alguma vez tives-te.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixem as vossas opiniões :)