Pediste-me que não confudinçe nada como desamor. Não consigo. Compreendo todos os teus 'ais', todos os teus devaneios e cansaços, compreendo todos os teus porquês e dúvidas. Difícil é compreender toda essa indiferença.
Amar não devia de causar dor. Mas ai, se dói, dói tanto! Estou sofrida, sofridamente sofrida, estou doída, dolorosamente doída. Amar é como atravessar um caminho de altos e baixos, de dúvidas e incertezas. Dói, dói tanto seguir esse trilho duvidoso. Até mesmo quando estamos felizes dói. E essa indiferença não causa nenhum alívio. Parece uma escolha difícil: seguir o trilho ou perder o rumo? Escolha? Como se a tívessemos! Quem me dera escolher, dizer 'pára, não ames, escolho perder o rumo e seguir caminhos alternativos'. Mesmo que entrasse numa luta constante comigo mesma não iria ter o poder de escolha. Como se fosse possível comandar esse pequeno pedaço de mim, que pulsa, chama, chora e grita por ti.
Quando sentias necessidade de gritar, quem me dera que o tivesses feito, dói mais um silêncio surdo, que um grito de dúvida.
Se tu soubesses o quanto o silêncio me magoa. Queria poder tirar todas estas mágoas, mas parece que ganharam raízes. Grita comigo, faz qualquer coisa, mas não fiques calado, não suporto a voz do silêncio sabendo que haveria tanta coisa que poderia ser dita.
Sempre fomos duas metades teimosamente de costas voltadas, que se completavam como peças de puzzle, sempre fomos um complexo 'nós' que nem sempre foi fácil de descortinar. E agora, do puzzle quebrado, de uma complexidade extrema eu serei a parte que ficou de nós. Agora apenas preciso de reaprender a ser de novo a metade de nós dois em busca de mim mesma.
'Espero que possamos continuar grandes amigos' lembras-te? Eu poderei ser a tua amiga, a melhor que alguma vez já tives-te, mas não me peças para deixar em pausa o meu amor. Eu não sei como poderei pará-lo, mesmo com a luta constante. Estagná-lo seria algo seriamente difícil. Mas tu, tu precisas bem mais de uma amiga que um coração apaixonado. E vais tê-la, espero. Tu sabes, que nunca soube separar bem as coisas, misturo facilmente sentimentos e esperanças, tenho uma grande dificuldade em separar os termos felicidade e amor.
Mais uma vez gostaria de te dizer: e assim me despeço, deste amor para que possa nascer uma amizade sem impedimentos, porque afinal é mais fácil procurar um ombro amigo do que um coração quando se está infeliz. Pelo menos para alguns. Quem me dera deixar este amor, nestas mesmas linhas. Dizendo que a vida não acaba aqui, apenas tomou uma nova direcção.
Digo ao meu coração para que não fique triste com este teu desamor. Mas ele escondeu-se no fundo da minha alma para não me ouvir.

12 comentários:

  1. só para que saibas, puseste-me a chorar com este texto.
    Como eu te compreendo, como eu compreendo esse não querer amar mas amar.
    Como eu compreendo esse misturar sentimentos e esperanças.
    Não há amor verdadeiro que se consiga apagar. Não há sentimento que se consiga afastar, nem almas que apaguem mágoas e dores. Mas era bom, não era? Dava-me imenso jeito, agora. Hoje. Nos próximos dias e meses.
    É tão fácil dizer que a vida não acaba aqui, que somos fortes, e que conseguimos ultrapassar. O Pior, é conseguir fazê-lo.
    Não há nada pior, do que ver o coração do nosso amado, tentar a toda a força encaixar-se no de outra, acredita.
    Enfim
    Força pequenina, amo-te.

    ResponderEliminar
  2. É mesmo. E nós esperamos. Sempre. Talvez até, involuntariamente. Porque podemos dizer que estamos noutra, quando no entanto, é a cabeça que está, e não o coração. Acabamos por confundir as coisas e tentamos a todo o custo investir nesse "estou noutra", e acabamos por nos magoar ainda mais do que já estávamos. Acho que é a lei da vida. Acontece vezes e vezes sem conta. Não sei porquê, e não sei quem inventou isto, mas quem o fez, teve os seus motivos.
    É claro que chegará. E quando chegar, e conseguires olhar para trás, para isto tudo pelo que passas agora, vais rir-te , rir-te muito, e pensar como é que pudeste sofrer e chorar, por algo assim.
    Adoro o teu pequenina, adoro todos os teus, tu sabes.
    Amo-te <3

    ResponderEliminar
  3. Pois é. Mentimo-nos achando que estamos a fazer o correcto e que é esse caminho que temos de seguir. Fingimos ser fortes e já ter passado tudo para trás das costas, quando, basta apenas uma palavra, para todas as nossas certezas se desvanecerem com o vento. Dei - me conta disso, nestes últimos dias. E eu sabia, que era assim que iria ser. Não esperei foi que me doesse tanto. No entanto, não fui fácil. Ri, e gozei , por cima. Fui capaz de gozar com a cara dele, apenas porque estava com amigos perto de mim. Não sei porque o fiz, talvez porque achei que ele o merecesse. E senti-me bem, na altura. Depois, as dores voltaram. Vão e voltam quando bem lhes apetece e eu não tenho qualquer tipo de controlo. Odeio que assim seja. Acredito que se passe o mesmo ou algo parecido contigo. parece que estamos as duas no mesmo barco e no mesmo impasse.
    Esperas tu, eu, e tantas outras que sofrem do mesmo.
    Porque não sentem eles, o mesmo que nós sentimos?
    Dói muito mais mesmo. Acho que somos mais frágeis e sensíveis que eles.
    amo-te minha sanguessuga <3

    ResponderEliminar
  4. dói mesmo. Eles é que nunca percebem esta nossa dor. Julgam que apenas nos fazemos de coitadinhas e que fazemos de tudo para chamar a atenção de tudo e todos, para os nossos problemas amorosos.
    É mesmo.Eles demonstram muito menos o que sentem, em fins de relação, e são capazes de no dia a seguir a esse fim, já terem outra qualquer. Não porque a amam, mas sim porque têm medo de ficar sozinhos. Têm medo de chorar todas as noites e de sentir o coração apertado. Nós não somos assim. Nós, raparigas, não conseguimos ser assim. Para nós, aquilo que eles fazem, é um crime. Eles não o vêm assim. Veem-no como uma salvação. E a maior parte é toda assim. Custa a admitir que grandes e fortes relações acabam. Enquanto nós, deixamos o tempo passar e acalmar tudo, eles tentam moldar a 'outra' a nós. Mas acho que ainda não se aperceberam que isso é totalmente impossível. Whatever, esse dia vai chegar. Ou talvez até já tenha chegado, e eles não o queiram admitir. Há amores que são para sempre, eu ainda acredito nisso.
    Vão mesmo. E vão querer voltar atrás. Mas sabes? Não vão conseguir, porque nesse dia, já terá passado o prazo. Nesse dia, como tu mesma dizes, o tempo para nós, já terá avançado, e o nosso coração já estará com outro alguém. Ou talvez não. Quem sabe? Quem me diz que daqui a 1 ou dois anos , eu não estarei a pensar na mesma pessoa, em que penso agora? Passaram dois anos, e eu dediquei a minha vida a ele e a tudo o que o rodeava. Porque haveria eu, de querer partir para outra? acho que não quero.
    quero gostar dele. mesmo que agora doa, eu quero gostar dele. Mas quero que esta dor passe. Quero gostar dele, sem que esta distância e este silêncio, deixe de me doer, e eu sei que isso é possível. Não agora. Mas sei que um dia, irá ser possível.
    Minha meninaaa <3

    ResponderEliminar
  5. a mim também me custa, e sinceramente nunca vi uma relação em que tudo o que houvesse fosse amor. poderia parecer, até, aos olhos de outros, mas não. Muitos mostram que se amam, nunca se chateiam, nunca têm ciúmes, nunca têm discussões, mas ao fim e ao cabo, aquilo nem era amor.
    Secalhar, já souberam gerir a distância e o amor, e talvez seja por isso, que não a queiram gerir outra vez. Em certa parte, eu compreendo. Eu própria vivi com a distância, e digo-te que é uma sensação muito angustiante. O coração aperta todas as noites. Nós nunca sabemos o que o outro, do outro lado faz. E isso, deve-se também ao facto da confiança. mas essa confiança, nunca é suficiente. Custa não poder ver o mesmo olhar todas as manhãs. Custa não sentir o mesmo abraço todos os dias. O coração aperta e alma apoquenta-se. Mas é claro, que preferia isso, a um fim de relação. 1000x. Saberia que todos esses tempos que passámos, um dia iriam ser compensados, e só por isso, já valia a pena. Nem que fosse apenas por um abraço. Mas teria todo o valor possível.
    Podes até , nem voltar a tê-lo como um amor, namorado, ou uma vida, mas nunca, nunca irás esquecer. Daqui a uns anos vais continuar a sentir saudades, tal como sentes agora. Se e quando ele te dirigir qualquer palavra, o teu coração vai palpitar e tu vais recordar tudo o que viveste. Apenas não vais sofrer, porque vais perceber que se o destino vos separou, era porque assim tinha que ser.
    Exactamente. Só o tempo nos dará as respostas. Por mais que insistamos, não as teremos. Não agora. Agora, temos de segurar o barco, quer queiramos, quer não. É assim que tem de ser.
    Minha fofinha <3

    ResponderEliminar
  6. Sabemos mesmo. Acredita. Soubemos gerir sentimentos na distância de um simples tocar de teclas. Soubemos controlar o choro nas noites em que a saudade apertava mais que tudo o resto. Fomos felizes, como nunca antes tínhamos sido. Demos tudo de nós, talvez, a um alguém que nunca mereceu as coisas que demos. Não sei. Sinceramente que não sei. Eu sinto que sim. E sinto que poderia ter dado mais. No entanto não me arrependo. Eu era assim. talvez até já tenha mudado. È com os erros que se aprendem, e nós aprendemos à medida que erramos. poderão também ter sido eles a errarem, ou poderá nem ter sido ninguém. Poderá ter sido obra do destino. Quem me garante que daqui a uns tempos, não os voltemos a ter, e a achar-mos estas conversas e estes textos uma autêntica palhaçada? Como te disse, eu não sei nada. Não sei o que está para vir. Sei apenas que o que sinto agora, é puro. Forte e Verdadeiro, e não me parece que vá passar. E eu pensava que passasse, dantes. Mas não passou. No entanto, consegui ser feliz. Consegui sorrir e fazer rir. Consegui pular e passar uns óptimos dias, semanas e meses. E só por isso, já vale a pena viver. Não me importo mais com esta dor que me atormenta de cada vez que me deito. Penso apenas que já me doeu mais, e que se eu aguentei das outras vezes, também aguento desta. O meu coração está a habituar-se, e o teu também se vai habituar. Um dia, eu sei... a dor, o sofrimento, a angústia , vão passar. E vamos recordá-los com o maior sorriso do mundo, porque foram uma grande parte da nossa vida , mesmo que nos tenham feito sofrer.
    A dor não é opcional para eles. Nem para eles, nem para ninguém. A dor, é sempre dor. Quem nos diz, que eles não choram, de cada vez que vêm fotografias nossas ? quem nos diz que não sentem o mesmo aperto? Acho que apenas têm maneiras diferentes de encarar a dor.

    ResponderEliminar
  7. há coisas que nós não podemos decifrar, porque são assim que têm de ser. Eu sei, que eles de certeza que tiveram um forte motivo, e sei que por esta altura já se arrependeram dessa decisão que tomaram, porque achavam ser a correcta.
    Já pensaste que estavam apenas a tentar proteger-nos? A distância não é fácil, nem para eles , nem para nós. Já pensaste que apenas não queriam que esperássemos eternamente por um dia, que nem saberíamos se ía chegar, ou não? Já pensaste que secalhar eles fizeram tudo isto, para não nos fazerem sofrer mais? Eu não sei, também não tenho respostas, as não vou julgar ninguém, agora. Não tenho esse direito, acho.
    Não são. Provavelmente são mais fracos que nós.
    Cometemo-los sempre, porque amamos.

    ResponderEliminar
  8. eu sei amor, e acredita que há dias em que penso como tu. Que eles só nos querem magoar, que brincaram connosco todo o tempo, mas... achas que se iriam aguentar estar connosco à distância? no meu caso, foram 11 meses. E 11 meses, não são dois dias ou duas semanas. Achas que se eles não nos amassem, teriam estado connosco, no tempo que estiveram? Eu não sei o porquê de terem ido embora. Não sei mesmo, mas não vou julgar ninguém. Eu própria já errei , e não voltei atrás. por orgulho. E olha, que o orgulho consegue ser muito superior a tudo, às vezes.

    ResponderEliminar
  9. sim, nisso tens toda a razão possível. Magoaram e continuam a magoar. talvez por terem desistido, por terem sido fracos ao ponto de tentar esquecer este nosso amor, que demos.
    Pois é. Pior ainda, é: " aconteceu, acabou e eu agora quero ter duas ao mesmo tempo, mas não lhe digas nada que é para ela pensar que eu estou a gozar contigo. "
    São mesmo.

    ResponderEliminar
  10. não, não merecemos, mas não te preocupes muito com isso, sabes porquê? São elas que os beijam, os abraçam e é com elas que eles estão, mas elas não conseguirão dar-lhes nem metade da felicidade e amor que nós demos. E o amor que eles tiveram por nós, não será nem metade do que lhes dão a elas. Um dia, acabam por voltar, acredita. O que é nosso, a nós volta. E eu sei que volta. Não agora, nem amanhã, mas volta. Volta sempre. Eles voltam , quando se cansarem deste fingimento estúpido pelo qual passam, dia após dia.

    ResponderEliminar
  11. compreendo que seja essa a tua decisão , minha peqenina.
    Quero apenas que decidas o que achares que fôr melhor para ti, e aquilo que achas que te fará feliz.
    Wtv, independentemente da tua escolha, eu vou estar aqui sempre presente para te apoiar, sabes disso.
    Força e gosto muito de ti*

    ResponderEliminar
  12. Não tens que me agradecer pequenina.
    Dás-me o dobro daquilo que te dou, por isso, aqui, quem tem de agradecer, sou eu e apenas eu.
    (L)

    ResponderEliminar

Deixem as vossas opiniões :)